Eu devo boa parte da forma como eu pratico espiritualidade hoje a um tipo de música chamada WORSHIP, ou “adoração”, em português. É um estilo muito comum entre os evangélicos, dos quais admiro particularmente os australianos como Darlene Zschech, Hillsong Music, e o americanos como Amanda Cook e Steffany Gretzinger da Bethel Music, Michael W. Smith, United Persuit, Worship Mob, Elevation Worship entre tantos outros.

Eu vejo a “adoração” como uma ferramenta muito importante no processo de Integração Cósmica. No seu relacionamento com o Criador, você o pode agradecer e louvar por aquilo que percebeu de sua atuação através das malhas da sincronicidade. Você louva e agradece por fatos que reconhece como trabalho divino em sua vida: a conquista de um emprego, a realização de um projeto, a superação de um trauma, a cura de uma doença. Tudo pode ser expressão da atuação da divina providencia na timeline da sua encarnação. Mas a adoração está além disso. Você não adora o Criador por aquilo que ele fez. Você o adora por aquilo que ELE É. Você o adora pela fração ínfima a qual você é capaz de reconhecer como parte da natureza deste ser superior que está infinitamente além de nossa capacidade de compreensão.

Quanto mais nós o adoramos, ou seja, quando mais nos dedicamos, em recolhimento, a reconhecer a fração ínfima de sua natureza que somos capazes de processar e suportar, mais nos entendemos como parte, continuação, extensão de seu próprio ser. Mais nos diluímos como gotas no oceano de amor que ELE É. De maneira que o adorar é se integrar, se reconhecer como parte do todo no qual Ele se manifesta. Por isso mesmo, a prática continuada da adoração é porta de conexão direta com o conhecimento de realidades superiores. E isso ultrapassa o perímetro da ciência, da religião e da filosofia, e nos leva a falar a mesma língua, bebendo todos dos mesmos mistérios nos quais nos contemos e estamos inseridos.

Veja por exemplo, esta canção da Hillsong United, interpretada pela Amanda Cook da Bethel Music (de quem sou fã paga-pau de carteirinha). Se você curte ufologia, física quântica e espiritualidade, vai se surpreender ao saber que esta é uma música cantada dentro de um templo evangélico na Califórnia. Veja que mesmo entre os cristãos protestantes, muitas vezes confundidos com os charlatões fundamentalistas da fé, a noção de Exoconsciência e Integração Cósmica começa a ganhar espaço. Preste atenção à letra dessa música, que extraordinária!!! A preparação está muito além da nossa pauta editorial. O movimento é maior do que podemos imaginar.

 

Deus da criação
Lá no início
Antes do início dos tempos
Sem ponto de referência
Você falou com a escuridão
E inventou a maravilha da luz

E enquanto Você fala
Centenas de bilhões de galáxias nascem
No vapor de sua respiração os planetas se formam
Se as estrelas foram feitas para adorar, também eu irei
Posso ver Seu coração em tudo o que Você fez
Toda estrela ardente
Um sinal de fogo de graça
Se a criação canta Seus louvores, também eu irei

Deus da Sua promessa
Você não fala em vão
Nenhuma sílaba vazia ou sem sentido
Pois uma vez que Você falou
Toda natureza e ciência
Seguem o som de Sua voz

E enquanto Você fala
Cem bilhões de criaturas pegam Seu fôlego
Evoluindo em busca do que Você disse
Se tudo revelar Sua natureza, também eu irei
Eu posso ver Seu coração em tudo o que Você diz
Todo o céu pintado
Uma tela de Sua graça
Se a criação ainda O obedecer, também eu irei

Se as estrelas foram feitas para adorar, também eu irei
Se as montanhas se curvam em reverência, também eu irei
Se os oceanos rugem Sua grandeza, também eu irei
Pois, se tudo existe para Te engrandecer, também eu irei
Se o vento vai onde Você o envia, também eu irei
Se as pedras clamam em silêncio, também eu irei
Se a soma de todos os nossos elogios ainda não O fizer jus
Então, vamos cantar novamente cem bilhões de vezes

Deus da salvação
Você perseguiu meu coração
Através de todo o meu fracasso e orgulho
Em uma colina que Você criou
A Luz do mundo
Abandonado na escuridão para morrer

E enquanto Você fala
Cem bilhões de falhas desaparecem
Onde Você perdeu sua vida para que eu pudesse encontrá-la aqui
Se Você deixou o túmulo atrás de você, também eu irei
Posso ver Seu coração em tudo o que você fez
Toda parte projetada em uma obra de arte chamada Amor
Se Você com prazer escolheu a rendição, também eu irei
Eu posso ver Seu coração
Oito bilhões de maneiras diferentes
Cada uma delas
Uma preciosa criança que Você morreu para salvar
Se Você deu Sua vida para amá-los, também eu irei

Como você faria novamente cem bilhões de vezes
Mas em qual medida poderia caber o Seu desejo
Você é aquele que nunca deixa ninguém para trás

Juliano Pozati

Author Juliano Pozati

JULIANO POZATI É ESCRITOR, DOCUMENTARISTA E ENTUSIASTA DE NOVAS IDEIAS QUE INSPIREM A QUEBRA DE PARADIGMAS OBSOLETOS NAS ÁREAS DA ESPIRITUALIDADE, CIÊNCIA, FILOSOFIA E UFOLOGIA.

More posts by Juliano Pozati

Join the discussion 5 Comments

Leave a Reply to O amor é movimento – Juliano Pozati Cancel Reply