Eu poderia simplesmente ficar horas olhando para a Lua Nova. Você talvez discorde dizendo que a Lua Cheia é muito mais  romântica e iluminada. Mas eu vou te explicar: o que mais me atrai no início das fases lunares é justamente o lado mais escuro do nosso satélite natural, emoldurado só por aquele filetinho de luz.

Quando a lua está assim, eu fico olhando para a serenidade da sua presença no céu noturno, tentando transcender qualquer imaginário popular obsoleto e me fixando na realidade de sua natureza: um imenso globo, vizinho ao nosso, flutuando no espaço infinito.

E quando assim a contemplo, assim nos percebo: somos todos viajantes deste grande orbe ao qual chamamos Terra. Viajamos pela imensidão de um espaço infinito, magnífico, pulsante de vida e com um sem número de jornadas evolutivas que se cruzam e se complementam.

Ao olhar fixamente para Lua Nova, envolto nessa percepção, sinto minha mente mergulhar em outro nível de realidade. É como se minha consciência sintonizasse a fração do todo que sou capaz de suportar,  embalada pelo balé harmonioso dos astros e planetas que dão forma e movimento à grande canção universal em profundo silêncio cósmico. É uma canção indizível, inefável, que clama: faça-se ouvir o Amor Maior: de onde viemos, onde estamos e nos movemos, e para onde retornaremos após vivenciar a orchestra da vida em suas mais diversas funções e realidades.

A Lua Cheia pode ser mais romântica e cinematográfica, mas é pela Lua Nova que me conecto a minha verdadeira paixão: nossa jornada evolutiva rumo a cidadania cósmica.

Abraço grande,

Sempre avanti! Che questo è lá cosa piú importante!

Juliano Pozati

 

Juliano Pozati

Author Juliano Pozati

JULIANO POZATI É ESCRITOR, DOCUMENTARISTA E ENTUSIASTA DE NOVAS IDEIAS QUE INSPIREM A QUEBRA DE PARADIGMAS OBSOLETOS NAS ÁREAS DA ESPIRITUALIDADE, CIÊNCIA, FILOSOFIA E UFOLOGIA.

More posts by Juliano Pozati

Join the discussion One Comment

Leave a Reply